Importância de instalações adequadas para palpação de equinos

Publicado em 13/10/2016 às 19h53

A palpação transretal é comumente usada para examinar o conteúdo abdominal em cavalos; neste caso, o trato genital. É geralmente praticado por veterinários e cientistas animais. Não é para o inexperientes. Palpação transretal é também referida como a ‘palpação retal’, ou reto-genital. O autor passou grande parte de sua carreira profissional nos Estados Unidos, onde o litígio é mais comum do que em outros lugares. Durante esses anos, fissuras retais foram uma causa comum de ações judiciais contra médicos veterinários; perdendo apenas para epistaxe causadas por tubos nasais. O autor serviu como uma testemunha especialista para a AVMA, nestes casos e aprendeu em primeira mão os erros que levaram a ações judiciais.

Cada operador tem suas preferências pessoais para a palpação transretal. Apesar do potencial de litígios, a este respeito, existem alguns padrões específicos para a palpação das associações auspiciosos, como a AVMA e AAEP. Nesta sentido, o autor baseia-se em mais de 40 anos de experiência pessoal na reprodução equina para fornecer uma orientação específica e uma perspectiva pessoal sobre o assunto.

A imagem abaixo mostra a aparência de palpação transretal em equinos em condições ideais.

O fluído cinza é de fezes e excesso de lubrificante, um potencial perigo de escorregamento. Observe também a luva vermelha, não é o ideal, na opinião do autor, pois ele pode disfarçar vestígios de sangue. Infelizmente, as luvas para a palpação transretal raramente são disponíveis em tamanhos para aqueles com mãos pequenas (uma oportunidade de marketing!). As mangas do operador são enroladas ou removidas.

Em muitos casos, as condições não são ideais. O autor já realizou palpação em campos abertos, de pé em estábulos, em éguas contidas com laços cruzados e assim por diante. Em uma ocasião memorável, uma égua indisciplinada foi examinada em pé, em um campo aberto no México, contida por alguns ‘rancheiros’, enquanto discutiam futebol. Uma ultrassonografia foi realizada com a unidade em uma caixa de papelão para sombrear sua tela. Estas foram experiências interessantes, mas em retrospectiva, temerárias. Fissuras retais são muitas vezes fatais em éguas.

Durante a palpação transretal, a lesão da égua é muito mais comum que a do operador. Talvez a razão mais comum para o sucesso nos processos contra os veterinários por fissura retal é que eles usaram uma restrição inadequada para a égua durante a palpação. Deve haver sempre um auxiliar ao lado da cabeça da égua. Esta pessoa deve ser ao mesmo tempo calmo e competente e deve ficar ao lado da cabeça da égua para evitar lesões dos membros anteriores ou ser atropelado se uma égua investe para a frente. Um segundo auxiliar é desejável, para evitar que os quartos traseiros da égua balancem de um lado para o outro durante a palpação.

Nos haras, ou onde há um grande número de cavalos alojados, os proprietários devem ser fortemente encorajados a construir bretes de contenção, para os numerosos exames realizados em cavalos.

O autor acredita que os bretes são muitas vezes demasiado grandes para cavalos. Para evitar movimentos laterais, o brete não deve ser muito maior do que 27 polegadas (69 cm); talvez 30 (76), no máximo. A 27 polegadas de largura conjunto de contenção acomoda a maioria das éguas de tração.

Se os bretes são muito largos, a cabeça da égua deve ser atraída para o lado oposto ao da pessoa que a está examinando. Isto é ilustrado acima pela linha verde e grande, a seta verde para os quartos traseiros. A pequena seta verde mostra a posição de uma corda na frente do peito da égua. Esta é utilizada para manter a égua perto da parte de trás do brete, perto do operador. Em essência, o quarto traseiro da égua deve ficar sempre o mais próximo possível do operador. Desse modo, o potencial para lesão no operador por um coice (raro) é minimizada. Neste caso uma corda deve ser utilizada por trás da égua também. Todas as cordas devem ser amarrados com nós de liberação rápida.

Quando não há bretes de palpação, o operador deve deixar a égua bem próxima à saída da porta da baia e se posicionar de maneira que o braço utilizado para a palpação não seja ferido se a égua se mover lateralmente (ver o anel vermelho na imagem abaixo).

Neste caso, a égua não tem nenhuma restrição no peito por isso ela deve ser impedido de avançar pelo manipulador. Um movimento súbito para a frente pode resultar em fissura retal quando o operador está colocando um objeto através da parede retal nesse momento. Um tranquilizante pode ser necessário (para a égua, não o operador!) em alguns casos. Finalmente, deve haver uma comunicação constante entre o operador e o auxiliar; mas assuntos como resultados de jogos e casamentos fracassados ​​não deve ser parte da discussão.

Tendo se aposentado recentemente, o autor pode agora dizer com segurança que ele nunca foi seriamente ferido ao examinar uma égua. Quanto à segurança pessoal, ele prefere que não haja uma porta sólida atrás da égua para estes exames. Lesões no braço esquerdo o levaram a essa convicção. Em vez disso, uma corda é colocado atrás da égua, para evitar um passo para trás a leve além da parte de trás da baia.

Principiantes devem estar cientes de que muito poucas éguas tem intenção de atacar o operador. Na verdade, a maioria vai submeter-se a exame transretal sem resistência. Ao contrário dos bovinos, a maioria das éguas têm linguagem corporal óbvia. Se uma égua tem suas orelhas fixadas para trás e está obviamente inquieta, não se deve ignorar esses sinais e além disso fazer uma ‘entrada brusca’ no reto pode significar um desastre. Segundo o Dr. Lofstedt, os piores operadores e os correm maior risco, são aqueles mais 'convencidos' de que sabem tudo. Veterinários inexperientes também devem estar cientes de que os proprietários (e, infelizmente, colegas também) podem fazer pressão sobre eles para realizar exames em condições perigosas. O autor sabe de casos em que isso não só resultou em ferimentos graves, mas até em morte. Os operadores devem resistir a tal pressão, mesmo que sua negativa seja considerada como insegurança ou 'covardia'.

A técnica:

Depois de a égua ser contida, um envoltório de cauda deve ser aplicado para evitar que os pelos entrem no ânus. Mesmo sendo considerado supérfluo por alguns, é, pelo menos, uma atitude profissional. O autor é mostrado aqui mantendo o rosto para o lado, levantando com uma mão a cauda de égua e, lentamente, introduzindo um dedo, em seguida, vários e depois a mão inteira em seu ânus. Lubrificação abundante é essencial. Com a égua relaxada, ele pode gradualmente se posicionar atrás dela. 

Com a segurança de que o brete de contenção está dentro das normas e medidas adequadas são tomadas, o profissional fica mais a seguro,  consciente de que as medidas de tomadas garantem tanto a sua própria segurança, como a do animal que depende de sua perícia.

Imagens e texto compartilhados do artigo de referência da LORI (Library of Reproduction Ilustration), do Dr. Rob Lofstedt, publicado em 17 de março de 2015.

Enviar comentário

voltar para Arquitetura Equestre

||left||||news b01 c05 bsd|b01 c05 bsd|b01 c05 bsd|news login b01 c05 bsd|c05|b01 c05 bsd|content-inner||news fl