Estábulos/ cocheiras

Os instintos do cavalo e sua influência no projeto de um haras

Publicado em 13/09/2017 às 11h59

Quem está projetando um empreendimento equestre deve entender as necessidades do cavalo e seu comportamento. Pessoas que conhecem o animal são familiarizadas com seu instinto básico e atividades, mas nem sempre sabem como aplicar esse conhecimento na hora de projetar um estábulo seguro e eficiente para os cavalos.

comportamento dos cavalos e sua influência na hora de projetar haras hípicas e fazendas

Sociabilidade

Na natureza, os cavalos vivem em grupos. Ao serem isolados em baias individuais podem se sentir inseguros, entediados e desenvolver comportamentos de ansiedade já conhecidos como aerofagia (engolir ar), tecelagem (dança do urso), balançar a cobeça constantemente, mastigação, entre outros, que podem afetar a saúde e bem-estar do cavalo. Por este motivo estimular a socialibilidade entre os animais sempre que possível é um fator primordial para otimizar sua qualidade de vida, vejam algumas dicas que postamos clicando aqui.

Reação ao perigo

Na natureza,  o cavalo tem como instinto básico lutar ou correr dos perigos que se aproximam, eles possuem um campo de visão de 340° que possibilita uma sensibilidade especial a movimentos suspeitos em sua volta. Um haras ou hipica seguro deve levar em conta esse instinto e evitar ao máximo barreiras físicas que possam impedir o animal de correr, lembrando que seu próximo instinto é lutar (golpeando fechamentos com coices ou mordendo); caso não seja possível eliminar essas barreiras,  deve-se levar em conta que a reação do cavalo é rápida e intensa, portanto, seus materiais devem ser robustos e maleáveis para não lesionar o animal. Diminuir o instinto de fugir ou golpear também deve ser uma das premissas básicas ao projetar um haras, hípica ou fazenda para cavalos, pois além deles temos também pessoas, tratadores, clientes e alunos circulando pelo espaço. Lembrando que alguns cavalos (como garanhões reprodutores) naturalmente são mais excitados e agressivos, também devem ter uma instalação "personalizada".

Cocheiras, rotina e conforto

Em um cenário natural, os cavalos passam uma quantidade considerável do seu dia comendo (pastando) do que quando estão dentro das baias, por isso, é importante que quando confinados eles recebam comida com frequência mesmo que em pequenas porções, para ocupar seu tempo e tentar preencher os intervalos com atividades (escovar, duchar, montar ou mesmo solta-los no piquete). Cavalos normalmente descansam em pé, mas costumam deitar para dormir, por isso precisam de uma área ampla para deitar e levantar sem se machucar, além de uma superfície macia e confortável.

Projetar um haras ou hípica seguro não precisa ser complicado ou caro, basta ser eficiente. Instalações bem planejadas permitem otimizar as operações e diminuir os custos.

 

Artigo traduzido de Eileen Fabian Wheeler

Imagens: Free Images

Categoria: Estábulos/ cocheiras, Manejo e dia-a-dia
Comentários (0) e Compartilhar

Pequenas instalações para cavalos - Cocheiras de 2 a 6 baias

Publicado em 31/08/2017 às 18h02

Semana passada recebi e-mail de um leitor falando que gostaria de ver mais instalações menores, para pequenos criadores ou aqueles proprietários que tem cavalos para seu lazer, porque simplesmente gostam do animal.

Fizemos este post para mostrar que pequenas cocheiras também podem ter um grande impacto e um grande design.

Vamos começar com este projeto de nossa autoria, com um design que priorizou a funcionalidade e eficiência da cocheira, esta pequena estrutura possuí 4 baias, quarto de sela, depósito de grãos, ducha e piquete na face posterior da fachada (fundos).

cocheira para cavalos bonita e pequena

Como vivemos em um país tropical, a ventilação otimizada foi prioridade, possibilitada pela ventilação cruzada na cobertura, gradil vazado nas frentes de baia e porta dos fundos (com a possibilidade de abrir somente a parte superior, virando uma janela). 

cocheira pequena para poucos cavalos bonita

O projeto abaixo, tem algumas diferenças no conceito de design, com corredor central e uma estrutura que pode ser fechada através das portas de correr localizadas nas duas extremidades. 

cocheira bonita pequena para cavalos

Um design mais fechado, porém, que da mesma forma possibilita a interação dos cavalos de dentro da baia com o meio ambiente externo através de pequeno piquetes onde eles podem "se esticar". 

celeiro pequeno para cavalos

Internamente, portas de correr facilitam o manuseio, as divisórias vazadas otimizam a interação e qualidade de vida dos animais. Uma ducha fechada também pode servir de tronco nos dias de fazer os dentes, ferrar, medicar, etc. 

corredor interno baia cavalo

Esta linda instalação abaixo, segue o mesmo conceito de aberturas para piquetes, com o detalhe de que ela tem também uma área coberta no pasto, que ajuda a proteger a parte interna (portas) da chuva e também como beiral para o sol, ajudando a minimizar o calor. estabulos para cavalos

Ainda falando sobre cocheiras com corredor central fechada nas laterais, o projeto abaixo possuí algumas telhas brancas que otimizam a iluminação o interior do estabulo, além disso, a abertura superior no lanternim possibilita a eliminação do ar quente.

celeiro americano para cavalos

Atenção para o acabamento de meia parede em pedra, fez toda diferença para deixar a estética mais atrativa. 

haras para cavalos arquitetura

Abaixo, seguindo a linha "corredor aberto", duas cocheiras na cor branca que eu adoro! O branco reflete mais do que retém a luz, portanto além de ter um efeito de destaque na paisagem, em conjunto com a iluminação direcionada artificial durante a noite fica ainda mais atrativo! Porém, há que se atentar para a manutenção e limpeza. 

hipica para cavalos hipismo

hipica haras fazenda cavalo

Já a madeira, tem um ar mais aconchegante, por ser um elemento natural deixa o ambiente acolhedor. Nos piquetes individuais ao invés da madeira o arquiteto optou pelo metal, que pode se mostrar uma escolha sabia em alguns casos, visto que não demanda a manutenção que a madeira tem (tanto pela pintura, quanto pelo desgaste causado pelo tempo e até os próprios cavalos). O metal também ajuda a evitar vicios como do cavalo engolir ar, por ser uma estrutura rigida não se mostra atrativa para que eles queiram "mordiscar". 

cocheira para cavalos

 

Imagens: Morton Buildings , Pinterest

 

Categoria: Estábulos/ cocheiras
Comentários (1) e Compartilhar

Iluminação de cocheiras e estábulos

Publicado em 08/08/2017 às 19h55

Escolhendo a iluminação ideal

Cocheira bonita para cavalo

Embora a iluminação natural seja mais do que desejável nos estábulos, reconhecemos que iluminação artificial também se faz essencial para o bom funcionamento .

Muitos proprietários planejam de forma equivocada e ineficiente a iluminação dentro da sua cocheira, acabando com sombras  indesejáveis na área de trabalho.  Planejar a iluminação de uma cocheira é diferente de qualquer outra, levando em conta que você te um grande corpo do cavalo no caminho de tudo.

O equivoco mais comum é colocar uma iluminação direta no centro de cada baia, esta irá ser bloqueada pelo tronco do cavalo, deixando suas peras e pés no escuro, além de provocar sombras que podem assustar o animal.

No corredor central podem ser utilizadas iluminações diretas, amparadas por arandelas irão otimizar a visibilidade da área de trabalho.

Economizando energia

celeiro para cavalo

Além de abusar da iluminação natural, que é uma forma de energia gratuita e saudável como já falamos algumas vezes aqui, a dica para ajudar a economizar são as lampadas de LED. Apesar de terem um custo inicial superior as comuns, além de economizarem muito energia elétrica elas também não esquentam nos dias de calor.

Ter níveis de iluminação focados na área de trabalho também é uma forma de economizar em energia, além de planejar adequadamente os circuitos para que se acendam somente as luminárias necessárias.

Imagens: Waikii Ranch e GH2 Equine

Categoria: Estábulos/ cocheiras
Comentários (0) e Compartilhar

Cocheiras com arquitetura moderna pelo mundo

Publicado em 11/07/2017 às 09h29

arquitetura para cavalos

Centro Equestre - Australia

Projetada pelos arquitetos Seth Stein Architects + Watson Architecture+Design, a edificação possuí 6 baias para afortunados cavalos, área de ducha, depósitos de feno e grãos, quarto de sela, tronco, além de um pequeno escritório para administração do local. Na parte externa uma pequena piscina para os cavalos se refrescarem, pátios com grama e piso assim como uma pista de areia para pratica de salto.

cocheira para cavalos bonita

hipica arquitetura para cavalos

The Stork Nest Farm - Republica Checa

Esta edificação da fazenda se inspirou em um ninho de pássaro (com arquitetura semelhante ao estádio olímpico da China), com 34 metros de diametro e 12,5m de altura a pista (ou redondel) pode servir para trabalho e apresentações abrigando até 200 pessoas para eventos. Seu design orgânico possibilita iluminação e ventilação natural.

pista moderna para cavalos

pista cavalos

Figueras Stables - Argentina

Obra do Estudio Ramos, localizada em uma região particular conhecida como "os pampas", que vem do indigena planalto ou planicie, este projeto com sua marcada horizontalidade e simplicidade de elementos, tenta fazer referência ao tema. Com um total de 44 baias, em uma área de 3.850m² e 180m de comprimento. A água, o símbolo universal da vida, da pureza e da harmonia, é usada para conectar e articular esses espaços, bem como criar uma atmosfera serena.

estabulos modernos para cavalos

arquitetura moderna para cavalos

arquiteto de cavalos

Pegaso Farm - E.U.A

Entre os projetos modernos, este projeto de John Blackburn é sem sombra de dúvidas o nosso favorito, vou explicar o porquê. Ele leva em conta todos os princípios de eficiência e salubridade para os cavalos dentro de uma cocheira (iluminação, ventilação e circulação ideal), seu design moderno não é aleatório, a edificação está inserida no conceito moderno das diversas edificações que Frank Lloyd Wright  construiu na região, levando em conta o entorno existente e a cultura local.

arquitetura para cavalos moderna

cocheira para cavalos arquitetura

fazenda arquitetura cavalos

Mirante - México

 Projetado pelo escritório CC Arquitectos, a estrutura é um sistema combinado de elementos de aço e madeira, e os muros de contenção estão feitos de pedras regionais. Grande parte dos muros interiores são forrados em madeira de carvalho branco. O acesso principal recebe as pessoas com um grande espelho d'água que remata num cocho para os cavalos, enquanto que um muro baixo em madeira oculta a área para a garagem.

arquitetura de hipica

arquitetura haras bonito para cavalos

casa campo com cocheira

Fonte: Archdaily, Architizer, AtlasObscura, Chicago Equestrian,

%MCEPASTEBIN%

Categoria: Estábulos/ cocheiras
Comentários (1) e Compartilhar

Qual ventilador ideal para cocheira?

Publicado em 03/07/2017 às 19h49

Pergunte a qualquer um que tenha cavalo estabulado no Brasil sobre os problemas dentro das cocheiras e entre eles você provavelmente ouvirá "o calor". Quente e úmido, é assim que é classificado o nosso verão em grande parte do país, em algumas regiões no inverno também. A ventilação em cocheira é de extrema importância; O sistema respiratório sensível de um cavalo é suscetível ao mofo, ao fungo e a presença da amônia em sua cama.

Vamos ver aqui qual o tipo ideal de ventilador para sua cocheira.

Ventiladores de teto

De uso tipicamente residencial alguns proprietários preferem utilizar este tipo de ventilador para refrescar a baia de seus cavalos. Há que se atentar para algumas questões como a altura do ventilador que deve estar fora do alcance do cavalo (se você possui um pé direito baixo e seu cavalo se assustar dentro da baia pode se machucar com o ventilador que tem as pás expostas); também para o fluxo de ar, normalmente o ar quente fica na parte alta do telhado, o ideal é posicionar o ventilador abaixo da camada de ar quente e deixar aberturas (como cúpulas por exemplo) para que ele seja eliminado.

qual melhor ventilador para cavalo

Ventiladores de parede

A vantagem deste tipo de ventilador é que se você possuí uma abertura para a area externa pode fazer com que o ar se movimento de forma horizontal, criando uma corrente de ar. Porém, este tipo de ventilador deve ser feito especialmente para uso agrícola, muitos deles (para uso residencial ou comercial) não são seguros para os cavalos, mesmo que as pás estejam embutidas em uma grade. A questão é que o motor fica exposto quando ele deveria ser fechado, especial para um ambiente com poeira. Se um pouco de feno ou serragem atinge as partes quentes do motor, ele pode queimar e causar pequenas chamas.

baia bonita cavalo

É importante lembrar que para nenhuma das soluções os cabos ou fios elétricos devem estar expostos. Se você não possuí uma alvenaria ou fechamento adequado para embutir a solução é passar a fiação em eletrodutos.

Imagens: Big Ass Fans, InfoHorse

Categoria: Estábulos/ cocheiras
Comentários (0) e Compartilhar

Layout de cocheira - Quais são os tipos e uso adequado

Publicado em 08/05/2017 às 15h21

Ao projetar um estábulo ou cocheira, você tem algumas opções de layout de planta baixa. É importante trabalhar com a opção que vá atender de maneira mais eficiente as suas necessidades. Uma cocheira bem projetada deve proteger os cavalos de climas extremos (calor ou frio), levar em conta as tarefas diárias que o espaço demanda, oferecer segurança e conforto para todos que circulam no pavilhão.

Basicamente, temos quatro tipos de layout para as cocheiras, eles são definidos pela localização do corredor e baia dos cavalos.

planta baixa de cocheira para cavalo

Fileira única de baias/ Corredor aberto

Este tipo de configuração funciona somente em lugares de clima ameno (sem estações bem marcadas) especialmente pela sua alta exposição ao ambiente externo. É atrativa por minimizar o número de estrutura em comparação com as outras configurações, desta forma, os cavalos estão mais próximos do ambiente natural, tem mais contato com o exterior o que é benéfico e saudável de muitas formas. Como desvantagem, em grandes estruturas pode aumentar significativamente o tempo de passar o trato e manejo dos animais.

cocheira pequena para cavalos

Corredor central

Forma de layout mais comum encontrada nas cocheiras. Sua planta baixa se mostra eficiente no trato dos animais, também oferece proteção frente as condições extremas de temperatura (altas, baixas e chuvas). Pode ser otimizada se tiverem portas de acesso externas, que além de ajudarem na ventilação também servem para evacuar os cavalos em caso de incêndio.

cocheira bonita para cavalos

Layout tipo ilha com baias de costas

Com dois corredores laterais, esta configuração ajuda a separar a área de circulação dos cavalos. Mantém os animais protegidos do clima externo, porém, oferece pouca ventilação dentro das baias. Ocupa maior área coberta do que a de corredor central, portanto, a não ser que seja imprescindível segregar a circulação ou que os corredores sejam bastante utilizados, este design se mostra ineficiente.

arquitetura para cavalos

Layout tipo ilha com corredor central

Sua planta baixa é constituída por um corredor central e dois corredores laterais.  As áreas de circulação podem ser utilizadas para esfriar os animais após o treino ou até mesmo caminhar um cavalo em recuperação de lesão, se o pé direito for alto o suficiente para que eles possam fazer isso sem se machucar. É a configuração de cocheira que ocupa a maior área de estrutura.

Imagens: DC Builders, Stable Style e Gornall Equestrian Stables,

Categoria: Estábulos/ cocheiras
Comentários (0) e Compartilhar

Luxuosos haras, hípicas e propriedades equestres em Wellington

Publicado em 24/04/2017 às 16h25

Uma das maiores concentrações de propriedades voltadas para os cavalos, considerada um dos 100 melhores lugares para se viver no mundo pela Money Magazine, Wellington, na Florida, iniciou-se em 1953 por um contabilista e investidor muito bem sucedido chamado Charles Oliver Wellington, que comprou as terras que posteriormente formariam a comunidade local.  Em 1995 foi considerada oficialmente uma cidade.

Separamos algumas das propriedades mais bonitas onde além da casa sede, também possuem cocheiras para os cavalos, pistas, campos de polo entre outros equipamentos com foco nos equinos.

Abaixo, com impecáveis 62 acres, esta propriedade possuí instalações para hipismo e polo em um total de cocheiras com baia para 60 cavalos, 6 quartos de sela e 4 quartos de feno e ração. Também tem seu sistema de aspersores automáticos para insetos e andador na aquático. 

haras para cavalos arquitetura

hipica e haras bonito

A próxima atração é a Sunset West Farm, com uma entrada imponente esta propriedade abriga um pavilhão com 26 baias nos melhores acabamentos, dois quartos de sela, dois depósitos de feno e ração, lavanderia, quatro duchas cobertas e uma belissima arquitetura.

arquitetura de haras para cavalos

haras bonito para cavalos

Construída em 2014 a instalação abaixo fica em um terreno menor, com cerca de 4 acres, mas cercado de finos acabamentos. Uma bela pista coberta com forro em madeira de lei, pavilhão com piso intertravado de borracha e 20 baias, dois escritórios e elevador interno estão entre as comodidades do espaço.

arquitetura de hipica

pista de areia coberta cavalos

pavilhão de cocheira para cavalos

Dentro da Grand Prix Village, finalizada em 2007 a instalação abaixo possuí 30 baias, pista de hipismo em tamanho oficial, redondel coberto, casa de funcionários, lounge, administração entre outros. 

arquitetura para cavalos

redondel coberto para cavalos

arquitetura de hipica

Para finalizar, para quem tiver U$45.000.000,00 disponíveis (sim, 45 milhões de dolares) o imóvel abaixo encontra-se a venda, um dos motivos do seu elevado valor é que o lote possuí cerca de 33,5 acres americanos. Com estábulos feito pela conceituada empresa Lucas Equine Equipments, 32 baias divididas em 2 pavilhões com saídas de emergência e cupulas para ventilação nas cocheiras.

haras e hipica para cavalos

varanda rustica cavalos

Para os amantes de cavalos, seja qual for o esporte, Wellington sem dúvidas é um destino "must go" para todos nós. 

 

Categoria: Estábulos/ cocheiras
Comentários (0) e Compartilhar

Lindo centro equestre em Bali

Publicado em 01/02/2017 às 17h03

Estava fazendo uma pesquisa para uma viagem pessoal e adivinhem se sempre não acabamos "esbarrando" nos cavalos?rs

Encontrei esse centro equestre em Bali, super charmoso e cheio de estilo. É aberto ao publico para recreação (todas pagas, claro) e possuí a seguinte infraestrutura:

"Temos três pistas de areia iluminadas para acomodar todas as atividades. Nosso indoor possuí 25m x 65m e inclui espelhos para ajudar nos movimentos de adestramento, enquanto a nossa pista descoberta de 30m x 90m ao ar livre é equipada com obstáculos de saltos profissionais. Para crianças a área mais segura é nosso indoor 20m x 20m, dando-lhes uma área menor, enquanto eles estão aprendendo a controlar seu pônei. Atualmente, estamos trabalhando na construção de um paddock de cross country, com alguns obstáculos naturais.

O Bali Equestrian Center está convenientemente localizado em Berawa, Canggu, que fica a apenas 10 minutos das movimentadas ruas de Seminyak e 3 minutos das praias de surf popular da costa ocidental. Nosso centro é cercado por belos campos de arroz, aldeias locais e tem uma vista espetacular das montanhas ilha interior e região vulcânica.

Nossas Instalações Equestres Incluem:

42 estábulos e 18 baias de lavagem

Pista de hipismo para salto e adestramento

8 Paddocks da grama

1 Paddock de Areia

1 Pista para pôneis "

Texto de referência e imagens: B.E.C

Categoria: Estábulos/ cocheiras
Comentários (0) e Compartilhar

Rancho Stone Canyon

Publicado em 27/10/2016 às 10h27

Na California, próximo ao Parque Nacional Pinnacles, encontramos esse rancho equestre, que abrange 10.000 acres. Com paisagens de tirar o fôlego e uma arquitetura majestosa. 

O complexo conta com o projeto arquitetônico de Ugo Sap que, estrategicamente posicionado, proporciona uma vista deslumbrante. O ideal para quem gosta de manter sua privacidade, desfrutar da vida no campo, de cavalos e espaços abertos.

casa de campo moderna

A casa, localizada na parte mais alta, proporciona uma visão de 360° da propriedade e das construções ao redor. Jardins com paisagismo diferenciado, piscina belíssima e uma arquitetura ímpar, nos dão uma ideia do que são feitos os sonhos.

casa de campo vista montanha

Os estábulos, divididos em dois corpos, tem um lugar de destaque no complexo e sua arquitetura harmoniza perfeitamente com a da residência e o entorno.

Tanto a residência como os estábulos e arenas contam com colunas de sustentação com diâmetro bem maiores que o convencional, que lhes confere um design diferenciado e imponente.

A propriedade está a venda para quem tiver US$ 28.000.000,00 disponível. 

Categoria: Estábulos/ cocheiras
Comentários (0) e Compartilhar

Importância de instalações adequadas para palpação de equinos

Publicado em 13/10/2016 às 19h53

A palpação transretal é comumente usada para examinar o conteúdo abdominal em cavalos; neste caso, o trato genital. É geralmente praticado por veterinários e cientistas animais. Não é para o inexperientes. Palpação transretal é também referida como a ‘palpação retal’, ou reto-genital. O autor passou grande parte de sua carreira profissional nos Estados Unidos, onde o litígio é mais comum do que em outros lugares. Durante esses anos, fissuras retais foram uma causa comum de ações judiciais contra médicos veterinários; perdendo apenas para epistaxe causadas por tubos nasais. O autor serviu como uma testemunha especialista para a AVMA, nestes casos e aprendeu em primeira mão os erros que levaram a ações judiciais.

Cada operador tem suas preferências pessoais para a palpação transretal. Apesar do potencial de litígios, a este respeito, existem alguns padrões específicos para a palpação das associações auspiciosos, como a AVMA e AAEP. Nesta sentido, o autor baseia-se em mais de 40 anos de experiência pessoal na reprodução equina para fornecer uma orientação específica e uma perspectiva pessoal sobre o assunto.

A imagem abaixo mostra a aparência de palpação transretal em equinos em condições ideais.

O fluído cinza é de fezes e excesso de lubrificante, um potencial perigo de escorregamento. Observe também a luva vermelha, não é o ideal, na opinião do autor, pois ele pode disfarçar vestígios de sangue. Infelizmente, as luvas para a palpação transretal raramente são disponíveis em tamanhos para aqueles com mãos pequenas (uma oportunidade de marketing!). As mangas do operador são enroladas ou removidas.

Em muitos casos, as condições não são ideais. O autor já realizou palpação em campos abertos, de pé em estábulos, em éguas contidas com laços cruzados e assim por diante. Em uma ocasião memorável, uma égua indisciplinada foi examinada em pé, em um campo aberto no México, contida por alguns ‘rancheiros’, enquanto discutiam futebol. Uma ultrassonografia foi realizada com a unidade em uma caixa de papelão para sombrear sua tela. Estas foram experiências interessantes, mas em retrospectiva, temerárias. Fissuras retais são muitas vezes fatais em éguas.

Durante a palpação transretal, a lesão da égua é muito mais comum que a do operador. Talvez a razão mais comum para o sucesso nos processos contra os veterinários por fissura retal é que eles usaram uma restrição inadequada para a égua durante a palpação. Deve haver sempre um auxiliar ao lado da cabeça da égua. Esta pessoa deve ser ao mesmo tempo calmo e competente e deve ficar ao lado da cabeça da égua para evitar lesões dos membros anteriores ou ser atropelado se uma égua investe para a frente. Um segundo auxiliar é desejável, para evitar que os quartos traseiros da égua balancem de um lado para o outro durante a palpação.

Nos haras, ou onde há um grande número de cavalos alojados, os proprietários devem ser fortemente encorajados a construir bretes de contenção, para os numerosos exames realizados em cavalos.

O autor acredita que os bretes são muitas vezes demasiado grandes para cavalos. Para evitar movimentos laterais, o brete não deve ser muito maior do que 27 polegadas (69 cm); talvez 30 (76), no máximo. A 27 polegadas de largura conjunto de contenção acomoda a maioria das éguas de tração.

Se os bretes são muito largos, a cabeça da égua deve ser atraída para o lado oposto ao da pessoa que a está examinando. Isto é ilustrado acima pela linha verde e grande, a seta verde para os quartos traseiros. A pequena seta verde mostra a posição de uma corda na frente do peito da égua. Esta é utilizada para manter a égua perto da parte de trás do brete, perto do operador. Em essência, o quarto traseiro da égua deve ficar sempre o mais próximo possível do operador. Desse modo, o potencial para lesão no operador por um coice (raro) é minimizada. Neste caso uma corda deve ser utilizada por trás da égua também. Todas as cordas devem ser amarrados com nós de liberação rápida.

Quando não há bretes de palpação, o operador deve deixar a égua bem próxima à saída da porta da baia e se posicionar de maneira que o braço utilizado para a palpação não seja ferido se a égua se mover lateralmente (ver o anel vermelho na imagem abaixo).

Neste caso, a égua não tem nenhuma restrição no peito por isso ela deve ser impedido de avançar pelo manipulador. Um movimento súbito para a frente pode resultar em fissura retal quando o operador está colocando um objeto através da parede retal nesse momento. Um tranquilizante pode ser necessário (para a égua, não o operador!) em alguns casos. Finalmente, deve haver uma comunicação constante entre o operador e o auxiliar; mas assuntos como resultados de jogos e casamentos fracassados ​​não deve ser parte da discussão.

Tendo se aposentado recentemente, o autor pode agora dizer com segurança que ele nunca foi seriamente ferido ao examinar uma égua. Quanto à segurança pessoal, ele prefere que não haja uma porta sólida atrás da égua para estes exames. Lesões no braço esquerdo o levaram a essa convicção. Em vez disso, uma corda é colocado atrás da égua, para evitar um passo para trás a leve além da parte de trás da baia.

Principiantes devem estar cientes de que muito poucas éguas tem intenção de atacar o operador. Na verdade, a maioria vai submeter-se a exame transretal sem resistência. Ao contrário dos bovinos, a maioria das éguas têm linguagem corporal óbvia. Se uma égua tem suas orelhas fixadas para trás e está obviamente inquieta, não se deve ignorar esses sinais e além disso fazer uma ‘entrada brusca’ no reto pode significar um desastre. Segundo o Dr. Lofstedt, os piores operadores e os correm maior risco, são aqueles mais 'convencidos' de que sabem tudo. Veterinários inexperientes também devem estar cientes de que os proprietários (e, infelizmente, colegas também) podem fazer pressão sobre eles para realizar exames em condições perigosas. O autor sabe de casos em que isso não só resultou em ferimentos graves, mas até em morte. Os operadores devem resistir a tal pressão, mesmo que sua negativa seja considerada como insegurança ou 'covardia'.

A técnica:

Depois de a égua ser contida, um envoltório de cauda deve ser aplicado para evitar que os pelos entrem no ânus. Mesmo sendo considerado supérfluo por alguns, é, pelo menos, uma atitude profissional. O autor é mostrado aqui mantendo o rosto para o lado, levantando com uma mão a cauda de égua e, lentamente, introduzindo um dedo, em seguida, vários e depois a mão inteira em seu ânus. Lubrificação abundante é essencial. Com a égua relaxada, ele pode gradualmente se posicionar atrás dela. 

Com a segurança de que o brete de contenção está dentro das normas e medidas adequadas são tomadas, o profissional fica mais a seguro,  consciente de que as medidas de tomadas garantem tanto a sua própria segurança, como a do animal que depende de sua perícia.

Imagens e texto compartilhados do artigo de referência da LORI (Library of Reproduction Ilustration), do Dr. Rob Lofstedt, publicado em 17 de março de 2015.

Categoria: Estábulos/ cocheiras, Manejo e dia-a-dia
Comentários (0) e Compartilhar

left show fwR|left tsN fwR|left show fwR|bnull|||news login fwB tsN fwR tsY uppercase|fsN fwR uppercase|uppercase|news login fwR uppercase|tsN fwR uppercase|b01 uppercase bsd|content-inner||news fl