Amônia, fora da minha cocheira!

Publicado em 08/04/2016 às 13h35

Alguma vez você já entrou em uma cocheira e sentiu as emanações nocivas de amônia? Seus olhos lacrimejam, o nariz escorre, sua garganta fecha; você pode ser tentado a espirrar só de pensar nisso. Você sairia imediatamente.  Imagine então o que deve ser para cavalos confinados em um espaço fechado com pouca ventilação. Onde eles poderiam ir para respirar ar fresco?

O acúmulo de Amoníaco pode afetar a saúde respiratória e o desempenho de um cavalo. A boa notícia é que é evitável, em grande parte, com as práticas saudáveis de gestão.

Impacto da amônia

Segundo Melissa Mazan, médica veterinária, professora associada de ciências clínicas na Escola Cummings de Medicina Veterinária da Universidade Tufts, em Massachusetts: "A EPA (Environmental Protection Agency) recomenda que as pessoas não devem ser expostas a mais de 1,4 ppm (partes por milhão) em uma base crônica; níveis de 24 ppm causam graves irritações de garganta e nasal.

"A amônia, em níveis típicos de baias, afeta principalmente as vias aéreas superiores do cavalo", ela observa. "No entanto, em concentrações mais elevadas, a amônia pode causar inflamação das vias aéreas e edema pulmonar, o que ocorre geralmente em níveis superiores a 500 ppm. As exposições mais graves com edema pulmonar têm consequências potencialmente fatais."

 A amônia causa condições inflamatórias nas vias aéreas dos equídeos, aumentando o muco, que afeta negativamente a resposta imunológica, interferindo com a ação dos cílios (pelos microscópicos) que revestem as vias respiratórias - estes cílios servem como uma defesa natural, evitando que poeira e detritos entrem profundamente no trato respiratório. O impacto na respiração de amônia prejudica o desempenho e vitalidade de um cavalo, particularmente quando as vias aéreas também são atacadas por poeira, endotoxinas (um componente de bactérias), e outras partículas.

Verificação de amônia

Eileen Fabian Wheeler, PhD, professora da qualidade do ar na Pennsylvania State University, tem um interesse especial na otimização do ambiente de cocheiras. Ela comenta: "Se você pode sentir o cheiro de amônia no estábulo, então ele já está acima do limite recomendado para uma boa qualidade do ar." Ela relatou que o nível de amônia num estábulo deve ser mantido abaixo de 10 ppm, e o reconhecimento do cheiro de amônia pelos humanos não ocorre até 20 ou 30 ppm, o que é mais elevado do que o desejável ​​para a saúde do cavalo. "A amônia é mais leve que o ar, mas o seu nível é maior perto de sua fonte - urina e fezes depositadas nas baias", diz Wheeler. "Para avaliar adequadamente o nível de amônia, você vai precisar medi-la na zona de respiração do seu cavalo (a esfera de dois pés em torno do nariz do cavalo de onde ele tira sua respiração)." Existem empresas que possuem dispositivos para medir a quantidade de amônia no ar. 

Recomendações do Ar Limpo

Boa ventilação e estratégias de higiene práticas são necessárias para livrar um celeiro de amônia. "Cocheiras nunca devem ser fechadas, mesmo no inverno", diz Wheeler. "Os estábulos adequados possuem aberturas em toda estrutura." O não fornecimento de tais aberturas deixa as baias com cheiro de estrume além da amônia e também permite a condensação, que deixa manchas e inclusive deterioram a estrutura. Altos níveis de umidade, resultantes da má ventilação, tornam um celeiro frio, úmido e abafado. Wheeler salienta que deixando um estábulo "respirar" reduz-se a amônia, odores e umidade e o mantém fresco e seco, mesmo no clima mais frio.

como ter cocheiras bonitas e saudáveis

Wheeler faz algumas recomendações sobre o intercâmbio de ar nas baias, baseadas em regras gerais comprovadas: "Use aberturas permanentes que fornecem pelo menos cerca de 50cm² de abertura por cavalo alojado – o ideal é uma longa fenda em vez de um quadrado, com 3cm de largura de entalhe, permanentemente aberto, ao longo de todo o comprimento da baia, nos beirais". Ela ressalta que, colocando essa fenda de entrada nos beirais, o ar frio entra como um fluxo de ar que se mistura rapidamente com o ar parado, um pouco mais quente, da baia. Isso permite a entrada livre de ar fresco, com o ar viciado da baia que circulando para fora. "As aberturas maiores melhoram a chance de manter uma boa qualidade do ar durante todo o ano. Pode-se fazer aberturas ajustáveis, ​​maiores para um clima mais quente", diz ela.

Tire vantagem de flutuação térmica (a elevação do ar quente); o ar úmido é menos denso e sobe para as aberturas altas. Wheeler explica, "Aquecido, o ar úmido sobe e é lançado fora pelas aberturas altas, criando um efeito chaminé, que permite que o ar exterior fresco entre na baia, através das aberturas inferiores. Flutuação térmica é uma das duas forças de direção de ventilação natural, a outra é o vento, que é muito mais eficaz do que a flutuação térmica para ventilar uma cocheira".

Wheeler também observa, "Outro ponto importante é fornecer pelo menos dois conjuntos de aberturas localizadas em diferentes partes da construção; uma abertura de ventilação por si só não será eficaz em melhorar a qualidade do ar em toda a baia. Incluir aberturas no beiral ao longo das duas paredes laterais, por exemplo".

divisões de baias

Ela menciona o valor da utilização de cúpulas com aberturas: "... uma cúpula na parte superior do telhado do pavilhão de cocheiras oferece uma saída para o ar quente e do odor além de permitir que o vento movimente o ar para dentro e para fora do estábulo."

 

Wheeler adverte que ter um corredor de trabalho bem ventilado, mas com baias mal ventiladas, não é útil para os cavalos. "Aberturas entre baias também ajudam muito o fluxo de ar em todo o estábulo, com benefícios adicionais na socialização para os cavalos e fácil visualização de todos os animais", diz ela. Para cavalos estabulados, em dias quentes, Wheeler recomenda a instalação de portas com malha resistente tanto para o exterior como para o interior das cocheiras. Isso permite que a brisa de fluxo cruzado se desloque entre os corpos dos cavalos.

Referência desse texto é da Nancy S. Amoroso, DVM

Nancy S. Amoroso, DVM, possuí uma clínica- Loving Equine Clinic, em Boulder, Colorado, e tem um interesse especial na gestão do cuidado de cavalos de desportes. Seu livro, All Systems Go é sobre o cuidado veterinário  e condicionamento de recursos veterinária abrangente em cores, que envolve todos os aspectos de cuidado com cavalos. Ela também é autora dos livros ‘Go the Distance’ como recurso para proprietários de cavalos de resistência, também ‘Conformation and Performance’ (conformação e desempenho) e ‘First Aid for horse and rider’ (Primeiros Socorros para o cavalo e cavaleiro),  além de muitos artigos veterinários para proprietários de cavalo e público profissional.

Fonte das imagens e referência de texto: Barn Mice , The horse

Tags: amonia em cocheiras, Arquiteto de haras, cavalos, cocheiras , cocheiras para cabanha, estábulos, fazendas, hípicas

Enviar comentário

voltar para Arquitetura Equestre

||left||||news b01 c05 bsd|b01 c05 bsd|b01 c05 bsd|news login b01 c05 bsd|c05|b01 c05 bsd|content-inner||news fl