Arquitetura Equestre

Qual o piso ideal para baia de cavalos?

Publicado em 23/02/2016 às 11h08

Todos os criadores/ proprietários de animais se preocupam com seu bem-estar. Sua dieta cautelosa, seus exercícios regulares, gastando valores consideráveis para que suas estruturas atendam os padrões ideais de saúde e conforto.Baia para cavalo pisos

Para que seu corpo e mente possam funcionar bem durante o dia, uma das necessidades vitais é o sono. Abreviando nossa conversa, ter uma boa noite de sono é essencial os equinos tanto quanto para nós, homens. Já pensou dormir naquele colchão que te faz acordar com dores terríveis na coluna? Não importa o quão boa seja a roupa de cama, o que faz a diferença é o que está abaixo dela.

tipos de piso para baia de cavalos

Além da importância de uma boa noite de sono, muitos animais passam a maior parte do seu dia dentro das baias, seus pés e pernas podem ser prejudicados ou beneficiados dependendo do tempo e dinheiro que você investir em seu piso. Nosso objetivo é fornecer informações sobre os tipos de piso para baias, mas nenhuma dessas informações dispensa a ajuda de um profissional especializado que irá levar em conta características particulares da sua cocheira/ trato/ terreno e drenagem.

Baia de cavalo

Duas categorias principais definem os tipos de piso: Permeáveis e Impermeáveis. Ao optar pela primeira categoria deve-se levar em conta uma fundação com areia/ carvão/ cascalho entre outros materiais para ajudar no movimento da água para baixo. Na segunda opção, deve-se ter um sistema de drenagem auxiliar com inclinações e drenos para que a urina/água possam correr para fora da baia.

Medida para baia de cavalo

Características do piso ideal:

  • Deve ser confortável para as pernas do animal, ajudar a diminuir a tensão nos pés e tendões.
  • Seco, enxuto, sem segurar a umidade
  • Não deve reter odor
  • Anti-derrapante, para incentivar o cavalo a se deitar sem medo de escorregar
  • Durável, resistente aos impactos do casco do animal
  • Baixa manutenção
  • Fácil de limpar

cocheiras para cavalos

Piso natural– A princípio esta parece ser a solução mais prática e econômica. Porém, é preciso ser cauteloso,pois drenagem e durabilidade dependem das propriedades do terreno. Alguns tipos de solo podem resistir drenagem e resultar na lama ou poças enquanto outros podem tornar-se secos e poeirentos.  Um betão pode ser usado na porta da baia para “desencorajar” buracos.

Piso com brita e bidim – São colocadas duas camadas de brita, a primeira a 90cm abaixo do nível do piso com 30cm de brita n°03, a segunda camada  logo acima com 30cm de brita n°02, após a segunda cama segue uma manta de bidim e para finalizar 30cm de areia e terra na proporção 1:2. Certifique-se de que todas as camadas estão bem compactadas. Há que se ter cuidado ao fazer este piso, se não compactado corretamento podem desenvolver desníveis (buracos) e misturar pequenas pedras com a cama.

Piso com carvão vegetal – Semelhante ao piso com a brita, também deve ser escavado em 90cm, seguindo a ordem de 30cm de brita n° 03 (para drenar), 20cm de carvão vegetal (que ajuda a evitar o mal cheiro), e 40cm de areia lavada bem campactada. Após a execução é recomendável molhar completamente o chão compactando-o novamente e deixar secar por 24 horas, após este tempo verificar se ainda existem quaisquer buracos ou depressões e preenche-los.

Piso de concreto- Este tipo de piso é um dos mais comuns, devido a sua durabilidade e fácil manutenção. Ao optar pelo concreto é necessário se atentar para que não seja muito liso a ponto do animal escorregar e nem tão rugoso a ponto de se tornar abrasivo. Deve ser acompanhado de uma inclinação para sistema de drenagem. Entre suas desvantagens estão a retenção de urina (não absorve) na cama, forte impacto nos tendões dos cavalos, precisa de mais quantidade de cama para se tornar confortável.

Piso de borracha- Variam de acordo com o fabricante em espessura, durabilidade, textura, etc. É um material nobre que não tem produz poeira, trás um conforto maior para as pernas dos animais e tem as propriedades antiderrapantes que deixam a baia mais segura. Porém, os animais tendem a se sentir mais ambientados com produtos naturais, encontrados nos campos e pastos.

piso de borracha baia cavalos

Tem interesse em construir, reformar seu haras hípica ou fazenda? Clique aqui e entre em contato conosco para fazer um orçamento!

Comentários (1) e Compartilhar

Cerca para piquetes - Qual tipo ideal?

Publicado em 18/02/2016 às 11h58

A pergunta pode parecer simples, “Qual tipo de cerca ideal para cavalos?” – “Aquela que vai deixar eles dentro do pasto”. Bom, a resposta é um pouco mais complexa do que simplesmente contenção e aqui vamos falar do tipos de cerca para ajuda-los a decidir qual a melhor opção!

cerca para pasto

Cerca de madeira pintada

Além de ser uma das mais comuns, muitas pessoas podem achar este tipo de cerca ideal. Só de pensar naquela cerca linda, branquinha, em meio as árvores e a grama verde já te vem a mente o jargão “lar doce lar”. Mas ao acrescentar os cavalos e a manutenção, a figura pode mudar. Os custos de reparo e pintura são permanentes. Esta solução pode parecer atrativa por seu custo (e visual) inicial, porém, há que se levar em conta que um cavalo assustado pode quebra-la facilmente, se machucar (eu mesma já tive uma egua que se machucou em um parafuso da cerca e ficou meses em tratamento com medicamentos e sem poder treinar) e as pragas que este material está sujeito.

cerca de madeira para pasto

Cerca com eletricidade

Normalmente utilizada para cercas temporárias, é rápido, fácil e pouco custoso de se instalar. É recomendável o uso de mais de uma fita (ou fio) para aumentar a visibilidade do animal. Porém, uma das desvantagens deste tipo de cerca é justamente o que mantem os animais na contenção: o choque. Se você tem crianças, ou o pasto se encontra em uma área relativamente movimentada, você pode machucar alguém. Também não podemos deixar de lembrar que o uso da eletricidade na cerca acarreta aumento no custo da energia. Este tipo de cerca não pode ser usada em divisas de propriedade (a não ser que haja um acordo comprovado), seu uso é totalmente dependente do aparelho eletricificador e energia (ou seja, se acaba ou o aparelho quebra a cerca não funciona). É recomendável colocar avisos e verificar semanalmente a tensão elétrica

cerca para piquete de cavalo

Tubos de aço

Resistente aos impactos dos animais, necessita de pouca manutenção e alta durabilidade. Seu custo inicial é alto, mas uma vez que instalada você pode deixa-la lá sem se preocupar. Também, devido a sua alta visibilidade, alguns proprietários dizem que não é comum os cavalos correrem para perto dela.

cerca de aço para cavalos

Cercas de PVC

Se você está buscando beleza e praticidade o PVC é um material mais recente no mercado e atrativo por não oferecer nenhuma ou pouquissima manutenção. Por ser leve, é necessário que os apoios sejam concretados no chão, porém ele é bastante visível e os cavalos não tem tendência a ficar “mordiscando” como acontece com a madeira. Entre suas desvantagens está, é claro, o custo elevado de instalação; além disso com o impacto de um cavalo os apoios podem se romper. Não há maneira de medir sua força de ruptura, mas sabemos que em baixas temperaturas o PVC se torna mais rígido, sendo recomendável para locais mais frios.

cerca de pvc para pasto

Então, como fazer para decidir qual o melhor tipo de cerca para o meu pasto? Bom, cada projeto, cada hipica, haras ou fazenda tem suas particularidades porém existem algumas questões que você deve levar em conta ao procurar a cerca ideal:

  • Quanto tempo a cerca que eu estou buscando deve durar?
  • Qual o valor que estou disposto a desembolsar para ter uma cerca de qualidade para os meus animais?
  • A instalação será feita por mim ou por profissionais especializados?
  • As tábuas irão ficar na parte de dentro ou de fora dos postes?
  • Haverão cavalos o dia todo no pasto ou somente por um período do dia?

cerca para cavalo

Respondidas essa perguntas, estão prontos para saber – Qual o tipo de cerca ideal para suas pastagens?

 

 

 

Categoria: Masterplan / Implantação de haras e hípicas
Comentários (1) e Compartilhar

Arquitetura Equestre – Haras, hípicas e fazendas (parte 2)

Publicado em 18/02/2016 às 09h57

Na hora de fazer as instalações, estábulos, baias e cocheiras, dois conceitos básicos devem ser levados em conta:

Cavalos em liberdade natureza

NATUREZA DO CAVALOS

Para respeitar a natureza do cavalo, buscando sempre o equilíbrio físico e mental, e para obtermos um resultado positivo, seja na criação, no esporte ou no lazer, devemos oferecer condições de vida, abrigo, alimentação e manejo adequados.

Por sua natureza, o cavalo gosta de liberdade e a melhor forma de criá-lo, é em piquetes ou pastagens; como isso nem sempre é possível, principalmente nos grandes centros, onde o mantemos em baias, que devem ser adequadas e, infelizmente, nem sempre o são, por falta de conhecimento ou ‘economia’.

cavalos instalações

SOBRE AS BAIAS

Como queremos ter o cavalo sempre próximo de nós, muitas vezes se torna impossível mantê-lo em piquetes e pastagens, então utilizamo-nos de baias para abrigar o animal.

piquetes para cavalos

Aqui, mais ainda, alguns cuidados são importantes de se tomar para tornar a vida do cavalo o mais confortável possível.

Deve-se ter cuidados com o tamanho da baia, que se não tiverem um tamanho mínimo ideal, trarão um desconforto muito grande para o animal, o que pode levá-lo a um stress, comprometendo a qualidade de vida e sua performance esportiva.

As baias devem ser bem ventiladas, não exposta a calores excessivos nem a frios intensos ou correntes de ar desagradáveis. O cavalo é mais sensível ao calor que ao frio, por isso temos que redobrar esses cuidados, especialmente no Brasil. Para tal, devem ser levados em conta conceitos como ventos predominantes, clima e microclima local, posição das aberturas, entre outros..

cocheiras para cavalos

Devemos evitar utilizar telhas de fibro-amianto, exceto se a ventilação for excepcional e o calor não for problema.

O cavalo é um animal muito sociável e não gosta de ficar isolado. Para amenizar esse problema quando o confinamos a uma baia, devemos fazer com que tenha contato visual com outros cavalos, através de janelas com grades entre as baias e deixando a parte superior das portas das baias sempre abertas (ao menos durante o dia).

baias bonitas para cavalos

Uma boa opção são as baias com meias paredes, nas quais eles se veem, se tocam, se cheiram, veem a paisagem e sentem o ar externo, porque considero uma violência contra o cavalo as baias fechadas até o teto, ferindo a natureza social do cavalo que, mantido isolado, no escuro, na umidade, sente desconforto, medo e a partir daí passa a ter comportamentos indesejáveis, fruto do estresse do confinamento. Baias com aberturas para o exterior são ótimas, pois eles se sentem seguros tendo uma visão do mundo exterior.

portas de baia para cavalos

Mas mesmo esse regime de baia semiaberta deve ser acompanhado de um manejo correto com períodos regulares de trabalho externo e a liberdade em piquetes parte do tempo.

Então, se está pensando em construir baias ou instalações para seus cavalos, lembre-se que um profissional de arquitetura deve que ser consultado, mas também é necessário conhecimento mais profundo sobre equinos; detalhes que parecem insignificantes podem ser prioridade para o conforto dos animais.

arquiteto de haras

Se você tem instalações equestres, um haras ou uma hípica que gostaria de construir/ reformar, entre em contato conosco e podemos ajudar com seu projeto!

Imagem 04: Equine Systems

 

Categoria: Masterplan / Implantação de haras e hípicas
Comentários (0) e Compartilhar

Arquitetura Equestre - Pista e cocheiras encantadoras no Centro hípico Del Bosque

Publicado em 18/02/2016 às 09h20

Centro Hípico Del Bosque

Localizado na parte mais alta da capital do estado de Morelos, 85km a sul da Cidade do Mexico, o centro equestre Del Bosque abrange uma área de cerca de 17.000m² e  encontra-se em meio a uma floresta de pinheiros locais com arquitetura que reflete a memória do local. Organizado em três níveis aninhados em um terreno inclinado com paredes de retenção, rampas e escadas fazem a conexão de cada plano.

Arquiteto Haras Arquiteto hípicas Fazenda

Hipica bonita

arquitetura fazendas bonita

 

O nível intermediário contém os espaços sociais utilizados principalmente pelos espectadores, que incluem café, terraços ao ar livre, banheiros e vestiários. Abaixo, a menor área, abriga a pista de areia e paddock.

estrutura de madeira rural

arquitetura bonita fazenda

hipica bonita pista hipismo

haras bonito cavalos cocheiras

De geometria simples mas expressiva, o projeto também leva em conta a sustentabilidade através de uma combinação de materiais de origem local, aproveitamento de águas pluviais, filtragem biológica da água para irrigação, iluminação de LED, entre outros.

arquiteto hipicas

arquiteto de haras

cocheiras bonitas

Gostei muito do projeto, da forma sabia como foram utilizados os materiais (blocos de concreto/ painéis de madeira para conforto térmico) e adorei a ideia do “espelho d’água” no pátio central, os seixos deram um toque charmoso e além de bonito os cavalos podem tomar água logo que saem da pista!

Categoria: Estábulos/ cocheiras
Comentários (0) e Compartilhar

Arquitetura equestre: Haras, hipicas e fazendas (parte 1)

Publicado em 15/02/2016 às 19h05

Quem me conhece sabe que sou apaixonada por arquitetura e também cavalos! Meu trabalho final de graduação foi um centro de equoterapia e vi que pouca coisa se encontra relacionada ao tema arquitetura para equinos (cavalos) no Brasil. O arquiteto John Blackburn do escritório Blackburn Architects com sede em Washington, DC, se especializou no assunto e vou compartilhar aqui algumas dicas para quem quer mais informações relacionadas a arquitetura equestre!

Assim que você tira um cavalo da natureza e o coloca em um estábulo, está assumindo uma responsabilidade. Um pavilhão de cocheiras funciona como a Mãe Natureza, você controla o meio ambiente e a saúde do animal. Se não for feito corretamente, corre o risco de prejudicar a saúde do cavalo.

Ao longo dos anos, muitos arquitetos não se atentam ao fato de que o fluxo de ar, iluminação e posicionamento relativo a brisa que prevalece são fatores cruciais na definição da saúde de um estábulo. Por exemplo, o tradicional pavilhão de cocheiras com corredor central aberto nas laterais, geralmente projetado por arquitetos que não estão familiarizados com cavalos, faz as doenças transmitidas pelo ar a fluir em linha reta ameaçando cada cavalo na corrente de ar do animal infectado. O ideal é alterá-lo em função da aerodinâmica. Isso faz com que o ar fique limpo e os cavalos felizes, afirma Blackburn.

Seus estábulos em regiões mais quentes são de concreto, já que o material se mantém com uma temperatura agradável e longe de cupins. Além disso a maioria dos seus projetos contemplam aberturas zenitais, que fazem a exaustão do ar quente através do efeito chaminé e “puxam” o calor do chão. O calor subindo tem-se uma ventilação natural, mantendo os cavalos confortáveis. Cavalos suportam melhor o frio que o calor.

“A requintada atenção aos detalhes que John Blackburn mostra em seus projetos é excelente. De pé-direito alto, iluminação natural e conforto, todos os cavalos devem viver como reis e rainhas. Não é uma desordem extravagante, mas sim a idéia de um design limpo e simples. Afinal, os animais também merecem luxo assim como nós “, disse Ashley Cline de EquestrianStylist.com.

Categoria: Masterplan / Implantação de haras e hípicas
Comentários (0) e Compartilhar

left show fwR|left tsN fwR|left show fwR|bnull|||news login fwB tsN fwR tsY uppercase|fsN fwR uppercase|uppercase|news login fwR uppercase|tsN fwR uppercase|b01 uppercase bsd|content-inner||news fl